ORLANDO ANTUNES



Depois da posse da última sexta-feira, o novo presidente da Federação Mato-Grossense de Futebol (FMF), Aron Dresch (foto) , começou nesta segunda-feira o expediente na casa do futebol. Como todo dirigente que assume, ele montou uma equipe técnica que fará uma auditoria para se inteirar de restos à pagar ou receber.

Como não teve oportunidade de montar uma equipe de transição, tudo será novidade e algumas surpresas poderão aparecer. Num dos levantamentos é saber sobre o quadro fixo de pessoal em seus diversos departamentos. Inclusive prolongar o horário de expediente, começando às 8h00 e fechando às 18h00. Fala-se muito em trocar alguns deles, dentre os quais o DA- Departamento de Árbitros , onde o ex-coronél Magalhães está há muito tempo.

No departamento técnico de competições, Gilson Gonçalves deve continuar. Ele que há mais de 30 anos está no cargo, onde confecciona os regulamentos e tabelas das diversas competições. Anexo está o departamento de registro e transferência de atletas, comandado por Junior. Na superintendência , Lúcia acompanha os trabalhos desde os tempos de Orione.

MEDIDAS EMERGENCIAIS

Uma das primeiras medidas à ser tomada pelo novo presidente, é renegocias com a Prefeitura Municipal de Cuiabá, a devolução do Estádio Presidente Dutra, nem que seja por comodato. Seria uma saída barata para manter as competições de sub-19 e a Copa Sub-21 , fugindo da caríssima Arena Pantanal.

O Dutrinha, que é uma eterna e longa novela. Novo titular da FMF promete revitalizar o antigo palco do futebol[/caption]Isso acontecendo, a FMF deve terceirizar a administração do Dutrinha para uma empresa de Marckting , que se auto sustentará, através da venda de espaços móveis e estáticos de placas de propaganda. Com receitas auferidas deste estádio, será possível fazer uma reforma nas estruturas elétrica e hidráulicas, para deixa-lo em condições de receber público.

SEGUNDA DIVISÃO

Ninguém pode ser rebaixado onde não há a chance de disputar a segunda divisão. Na temporada passada esta competição não foi realizada e se isso acontecer em 2017, clubes rebaixados ( Operário FC e CEOV)continuarão na divisão principal . E que não se aceite qualquer novo clube nestas condições, sem que haja uma vistoria sobre as condições de seus estádios. Vide casos do Neco Falcão de Poconé e Zeca Costa de Barra do Garças.

NEGOCIAR PATROCÍNIO

Um dos pilares de uma federação, ou clube, é o patrocínio. No caso em tela, é preciso abrir concorrência com os canais de TV, impedindo o monopólio de uma única emissora transmitir os jogos e explorar o Merchandising. À nível  de CBF, não aceitar " migalhas" como ocorreu com a marca Chevrolet ,cujo patrocínio foi trocado por locação de automóvel, de uso exclusivo da presidência da entidade.

VIABILIZAR A ARENA PANTANAL

Uma das tarefas de Dresch será "encher" a Arena Pantanal, onde os jogos não levam muio mais que 400 torcedores, na média[/caption]Negociar junto ao Governo do Estado, uma isenção  de taxas da Arena Pantanal, para que ela seja utilizada pelo futebol. Da mesma forma com que foi feito nas escolas recentemente instaladas em lugar de alguns camarotes. Ou em outra hipótese , admitir recolher as taxas, mas tendo como benefício a liberação de 10 camarotes por partida para a exploração comercial por parte da federação.

Arena Pantanal em dia de clássico: público tem sido fraco e melhorar esse quadro é um dos desafios de Aron

Fonte: Redação