ORLANDO ANTUNES


As semifinais do Estadual serão disputadas entre o Sinop x Dom Bosco e Luverdense x Cuiabá, já neste domingo 8. O União foi punido com a perda de seis pontos, mas escapou do rebaixamento em julgamento que terminou às 21h47 de terça-feira. A tese da procuradoria desportiva era de perda de 37 pontos, o que levaria o Colorado de Rondonópolis rebaixamento, por  escalar os atletas Calado e Kauan de forma irregular no Campeonato Mato-grossense

Os dois atletas foram apenados, no ano passado, a cumprirem dois joogos de susoensão no Estadual e não cumpriram a setença, tendo sido escalados e jogado as partidas normalmente. Essa foi a tese central apresentada opelo Dom Bosco e aceita plos membros do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD).

No julgamento, prejudicado por muitas pautas para a noite, o relator Ildo de Assis Macedo votou por uma pena mínima da perda de 3 pontos, mas a maioria optou por pena maior. Embasado no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) o Dom Bosco, representado pelo advogado Geandre Bucair, denunciou o União pela infração de utilizar os atletas Calado e Kauan de forma irregular no Campeonato Mato-grossense.

Segundo a acusação, ambos foram punidos em 2016 com a pena de dois jogos de suspensão, mas cumpriram apenas uma partida, infringindo a deteminação do próprio TJD. O clube teria sido denunciado por um membro de sua própria diretoria, visto que não haveria como os adversários obterem tal informação.

Antes mesmo do julgamento começar, vale lembrar que o presidente do Tribunal de Justiça Desportiva, João Vicente Scaravelli, havia afirmado que ‘O União já havia desrespeitado o TJD em outras três oportunidades, sendo reincidente’ e afirmara ainda, em entrevista à TV Record, que ‘o julgamento apenas decidiria qual seria a pena a ser aplicada, diante da flagrante infração’.

A Procuradoria do TJD pediu a pena máxima, com a retirada de 37 pontos do clube de Rondonópolis, e ratificou a pena correspondente a sete partidas (21 pontos pela infração e 16 dos pontos somados pelo clube). O procurador Frederico Leôncio Gaiva Neto citou o exemplo do Real Madrid que foi punido pela mesma infração.

Robbie Bittencourt abriu a defesa chamando o Dom Bosco de ‘tapeteiro’ e tentou desqualificar as provas da suspensão dos atletas (edital de resultado de julgamento do TJD), chamando o documento de apócrifo. “A prova não tem lastro”, disse Bittencourt, que livrou o Colorado da Segunda Divisão.

A  tese defendida pelo Dom Bosco foi a de que o União deveria manter Calado e Kauan dois jogos fora dos gramados. Os dfois cumpriram apenas uma partida, faltando uma, portanto

Fonte: Redação