Por ORLANDO ANTUNES

A Federação Mato-grossense de Futebol (FMF) realizou na manhã desta quinta-feira (16) a eleição de sua nova diretoria, cuja mandato vai até 2021. O que poucos acreditavam acabou acontecendo, a Chapa Renovação encabeçada por Aron Dresch venceu por 22 x 15 votos.

Porém, antes da eleição propriamente dita, aconteceu de tudo na FMF. Na noite anterior (20h15) a Comissão Eleitoral impugnou a chapa do atual eleito, sob a alegação de várias irregularidades. Na manhã desta quinta-feira, através de liminar a chapa renovação tentou cancelar a impugnação mas não conseguiu.

A petição foi negada e a impugnação foi mantida. Hopotéticamente só uma chapa concorreria sozinha. No caso a chapa da situação encabeça pelo atual presidente João Carlos de Oliveira , que dizia ter votos suficientes para se eleger.

VIRADA DE MESA

Através de novos fatos jurídicos apresentados pelo advogado da chapa renovação, Joaquim Spadoni, cuja mesa foi presidida pelo desportista Francisco Marinho Ferreira (REC), alertou para o artigo 71 do estatuto da própria FMF. O assunto foi amplamente discutido e o pleito foi suspenso por 30 minutos , quando todos os postulantes de reuniram, mas não houve acordo.

VOTAÇÃO DA IMPUGNAÇÃO

Através do colegiado com direito à voto, a impugnação da comissão foi derrubada por 17 votos à favor da chapa de Dresch. Com isso, as duas chapas foram aceitas e a votação aconteceu por volta das 11h30. No recinto, ficaram apenas os eleitores e nem a imprensa foi permitida acompanhar os votos (secretos). Na contagem, deu Chapa Renovação e Aron Dresch foi eleito por 22 x 15 votos.

DESDOBRAMENTO

Sem data especifica para a posse da nova diretoria, o advogado da chapa perdedora, Gerson menegatti, confirmou de que provavelmente haveria um recurso, Talves endereçado ao STJD da CBF. O prazo para o recurso é de 3 dias após a publicação da Ata da eleição.

INTERVENÇÃO ?

No caso em tela, não está descartada uma Intervenção da CBF, preliminarmente, enquanto o STJD analisa o caso.

VOTOS NULOS

Outra irregularidade constatada no registro dos eleitores , foi a presença de dois credenciados pelo Sinop. A mesa indeferiu e o Sinop não votou. O Mato Grosso (ex Palmeiras) teve o voto em separado, pois o representante não estava credenciado.

A FORÇA DO HELMUTE

Apesar de Aron Dresch ter sido eleito, todo o processo foi encabeçado pelo presidente do Luverdense, Helmute Lawisch. Através dele foi contratado o advogado Joaquim Spadoni, peça fundamental na derrubada da impugnação da Chpa renovação

Fonte: Redação