Na última sexta-feira (10), as três árbitras pré-selecionadas pela Fifa para atuar na Copa do Mundo de Futebol Feminino da França 2019 iniciaram um treinamento especial promovido pela Comissão de Arbitragem da CBF, na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

No primeiro dia do curso multidisciplinar, Neuza Ines Back (assistente), Edina Alves Batista (árbitra) e Tatiane Sacilotti (assistente) atuaram no jogo-treino da Seleção Brasileira Feminina contra o Flamengo, participaram do treinamento psicológico, com a especialista Marta Magalhães, e do curso de abertura com Manoel Serapião, instrutor FIFA e diretor técnico da Escola Nacional de Arbitragem (ENAF).

Com orientação de Ana Paula Oliveira (foto) , coordenadora nacional de instrução (ENAF/CBF), as árbitras seguirão o treinamento por mais dois dias. Na manhã deste sábado (11), o trabalho será no campo, envolvendo jogadores. A tarde será dedicada às análises de vídeos e mais contato com a psicóloga. No domingo, último dia do curso, mais análises de vídeos, dessa vez com foco em falta tática, toque de mão, situações de área penal e técnicas de arbitragem. 

Esta é a primeira vez que um trio feminino brasileiro tem treinamento voltado especificamente à preparação para um Mundial. Com Neuza, Edina e Tatiane no radar da FIFA para a Copa do Mundo de 2019, a CBF irá monitorar a situação do trio e enviará relatórios sobre o seu desempenho à entidade máxima do futebol.

Para Ana Paula Oliveira, a iniciativa da CBF é fundamental para capacitar ainda mais as três árbitras e fazê-las chegar na França em 2019.

– Isso nunca tinha sido feito na história da CBF. É um momento diferente, feliz. Desejamos que todo esse trabalho e apoio seja entendido por elas e que elas correspondam. Porque, na verdade, a conquista maior não é nossa e sim delas. É um momento único para um árbitro. Falando de futebol feminino, um torneio olímpico e uma Copa do Mundo é o máximo da carreira de uma árbitra, que chegou ao topo. Temos dois anos para trabalhar bastante para que elas cheguem com qualidade e competência e possam fazer história sendo o primeiro trio feminino brasileiro em um Mundial.

 

Fonte: Redação