A Copa do Brasil, que começa hoje, tem como maior novidade o jogo único nas duas primeiras fases do mata-mata. Sem ida e volta, tropeços, agora, podem simplesmente eliminar os chamados grandes antes que sintam o gostinho do maior torneio do país.

Nessa primeira fase, o mando de campo é do clube que tem posição inferior no ranking da CBF. O visitante tem vantagem do empate. É uma armadilha. No ano passado, se a regra valesse, o Flamengo teria caído ainda mais cedo, perdendo para o Confiança na 1ª fase.

O Corinthians, que pega a Caldense em Poços de Caldas, será o primeiro a passar pela provação. Vamos ver no que vai dar. 

Timão treina firme: Agora com as novas regras, se perder como visitante é eliminado

Com 91 clubes – foram 86 no ano passado – a nova Copa do Brasil é o segundo maior campeonato em número de participantes já realizado no país. Fica atrás do Brasileiro de 1979, vencido pelo Inter, e que foi disputado por 94 clubes.

A então CBD – predecessora da CBF –  cedia às pressões da ditadura e o pretexto de fazer do futebol um fator de integração nacional era, na verdade, um instrumento de propaganda eleitoral da Arena, o partido oficial. Ficou célebre, na época, a frase:  "Onde a Arena vai mal, mais um time no Nacional. Onde vai bem, outro também". 

Hoje, os tempos mudaram mas os propósitos nem tanto. O projeto de poder é dos próprios cartolas da CBF, sempre ávidos em agradar federações e clubes em busca de manter o status quo. E a dinastia que vem de décadas.

Fonte: Redação